31 de outubro de 2007

"A hora da verdade para Teerã?"

Por Francisco Carlos Teixeira - Fonte Agência Carta Maior - 25/10/2007
Desde as eleições presidenciais que levaram Mahmud Ahmenidjad ao poder em Teerã, este país vive em um estado permanente de sobressaltos e crises em sua política interna e externa. Em política interna acentuou-se a penúria de bens, aumentou a inflação e outros bens – paradoxalmente a gasolina! – quase desapareceram. No último dia 8 de outubro de 2007 algumas centenas de estudantes da Universidade de Teerã desafiaram o esquema policial iraniano e gritaram fortes slogans contra Ahmenidjad. No plano externo as ações de enfrentamento com os Estados Unidos acentuaram, nos últimos dias, o conflito entre os dois países.
Energia Nuclear e Geopolítica Regional.
O ponto central do contencioso entre Teerã e Washington centra-se na produção e posse de armas nucleares. O Irã é signatário do Tratado Contra a Proliferação de Armas Nucleares e reafirma constantemente o seu objetivo de dotar-se de energia nuclear exclusivamente para fins pacíficos. Contudo, a natureza fechada, autoritária, do regime iraniano não permite qualquer avaliação concreta sobre o que se passa nas principais usinas nucleares do país.
Os vizinhos dos iranianos – em seus dois flancos – são regimes adversários possuidores de armas nucleares. Referimos-nos a Israel, a quem Teerã vota a maior parte de suas energias em política externa e, do outro lado da fronteira, o Paquistão, dominantemente sunita e wahabita, e um forte aliado dos Estados Unidos. Além disso, o mais importante vizinho do Norte, às margens do Mar Cáspio, é a Federação Russa. Também é notório que a frota americana estacionada no Golfo Pérsico é dotada de forte armamento nuclear. Assim, não seria Teerã o introdutor de “armas de destruição em massa” na complexa geopolítica regional. O ponto central, contudo, para os Estados Unidos seria a caracterização da política externa do Irã (i.) de rompimento do TNP, portanto o Irã transformar-se-ia em um “Out-law State” e (ii.) o caráter não confiável do regime religioso existente no país.
A primeira questão, o Irã como um “Out-law State” é complexa e não representaria, de forma alguma, um casus beli clássico. A França, em 1993, no Atol de Mururoa no Pacífico realizou vários testes nucleares de superfície, contrariando frontalmente a comunidade mundial. Outros países, como o Sudão ou Mianmar, agem de forma brutal, mesmo genocidária, contra suas populações sem mereceram uma ação armada da comunidade mundial. Em relação a ser um “regime não-confiável” não podemos deixar de esquecer que o Paquistão – uma ditadura militar comandada por Pervez Musharaf e assediada por grupos islâmicos radicais – possui varias ogivas nucleares e é um dos maiores aliados dos Estados Unidos.
Onde, em fim, reside a ameaça iraniana?
Golfo Pérsico/Ásia Central: uma geopolítica delicada:
Na verdade, a produção de armas atômicas no Irã – tecnicamente possível para fontes neutras num espaço de 3 até 5 anos – seria um mudança brutal de status estratégico para Israel. As relações com as duas outras potências nucleares da região – Rússia, Paquistão – praticamente não seriam alteradas, posto que ambos os países possuem dossiês mais complexos com outros atores regionais. Contudo, no caso de Israel a mudança seria drástica. O poder dissuasório final de Israel – fragilizado em termos demográficos e pela ausência de profundidade territorial – baseado na possibilidade de uso das armas nucleares, seria anulado pelo poder (futuro) nuclear de Teerã. Na verdade, devemos destacar isso, Teerã, e o Hamas na Faixa de Gaza, são hoje os únicos adversários em frente aberta de Israel. O apoio, municiamento e financiamento do Hizbollah, em 2006, durante a chamada “Guerra dos 34 Dias”, no Líbano, já teria quebrado aspectos centrais da estratégia militar israelense. A excelência da Inteligência israelense, bem como o seu poder dissuasório baseado numa maciça retaliação convencional – embora tenha se dado, com a destruição ampla da infra-estrutura libanesa – não foi suficiente para dobrar o Hizbollah ou alcançar seus objetivos no Líbano.
Assim, a posse de armas nucleares por Teerã acentuaria, num percepção israelense, de forma insuportável a perda de dissuasão por Israel. Devemos notar, ainda, que Teerã desenvolveu uma balística comprovadamente eficiente no raio de até 3000 quilômetros, dotando-se assim de vetores competentes para uma eventual arma nuclear.
Para outros aliados de Washington na Região Golfo Pérsico/Oriente Médio a situação não é melhor. O primeiro estado árabe sunita a se fragilizar seria a Arábia Saudita. Dominantemente sunita, mesmo wahabita, Riad possui – exatamente no Golfo e nas suas importantes regiões petrolíferas, uma vasta população xiita -, que se identifica e relaciona com outros xiitas do Golfo Pérsico. Várias das chamadas “Petro-Monarquias” do Golfo, são dominantemente xiitas, como o Bahrein. Um aumento de poder iraniano na região – que poderia ser fortalecido pela vitória xiita no Iraque ou ao menos na formação de uma República Islâmica no sul do Iraque, em torno de Basra – seria um tremendo fator de desestabilização do Reino Saudita, abrindo caminho para uma República Islâmica na Península.
Também a Turquia, aliada dos Estados Unidos e cooperante com Israel, poderia se sentir obrigada a entrar na corrida armamentista, evitando tornar-se, frente a um Irã atômico, uma potência de segunda ordem. Identicamente o Egito, em face a uma crise política e religiosa na Arábia Saudita, e dos movimentos de armamentismo na Turquia estaria na “obrigação” de buscar o diferenciador nuclear. Isto poderia desestabilizar todo o Maghreb – o norte da África árabe – e levar a Argélia na mesma direção. Nestas condições, os países europeus do Mediterrâneo – em especial Espanha, Itália e França – ver-se-iam em um impensável estado de insegurança.
Assim, o movimento iraniano em direção às armas nucleares, embora de razões claramente fincadas na geopolítica regional do Golfo Pérsico, poderia ser o estopim para um dominó nuclear de amplas dimensões e imensas conseqüências.
Dissuadindo o Irã:
Mais uma vez as potências do Conselho de Segurança da ONU não conseguem chegar a uma mínimo consenso sobre a questão. Até a eleição de Nicolas Sarkozy, em 2007, a França, Rússia e a China Popular haviam assumido uma posição contraria a qualquer ação militar contra o Irã. Já duvidosos do êxito americano no Iraque e da OTAN no Afeganistão, os três países associaram-se numa tentativa de deter uma ação unilateral dos Estados Unidos. Ao final de 2006 tal frente diplomática – aliada ao endurecimento da resistência iraquiana e ao clímax da Crise Coreana (por idênticas razões) conseguiu eficazmente manter o contencioso no plano diplomático.
De outro lado, os Estados Unidos e a Inglaterra (que no início de 2006 teve um enfrentamento direto com Teerã, pela apreensão de um barco patrulha britânico) e a França (agora com Sarkozy) deixaram claro que “todas as opções” (incluindo aí as ações militares) estão sendo estudadas para evitar que o Irã tenha armas nucleares. O Ministro francês de Relações Exteriores chegou, mesmo, a advertir sobre a possibilidade de uso máximo de força do Ocidente contra o Irã.
Assim as ações do “Grupo de Contato” europeu – França, Inglaterra e Alemanha – esgotaram-se desde 2006 e estes países passaram a uma clara posição de exigência de renúncia unilateral por parte de Teerã à posse de armas nucleares.
Para a Federação Russa qualquer ação unilateral e militar seria uma catástrofe para a região. Um grande tumulto militar e político na Região do Mar Cáspio, onde Moscou possui interesses diretos, soberanos e importantíssimos poderia abrir outra brecha de agitação islâmica em seu território. Além disso, traria os Estados Unidos – possivelmente através do uso de portos e aeroportos do Azerbaidjão (ex-república da URSS) - para dentro da região de imensas jazimentos de gás e petróleo. Por tais razões – muito mais relevantes do que o florescente comércio de armas, máquinas e equipamentos entre Moscou e Teerã – é que a Rússia insiste na “metodologia coreana de negociações”. Seria a formação de um grupo regional de contato, mais Estados Unidos, para uma negociação direta e ampla sobre todos os temas (e não só sobre arma nucleares) entre Washington e Teerã. Para Teerã seria uma vitória, uma das razões da recusa americana em aceitar a proposta russa.
Os Estados Unidos, que haviam chegado ao limiar do enfrentamento no começo de 2006, estavam por demais envolvidos na Batalha de Bagdá, buscando garantir um mínimo de segurança para alguns bairros centrais da capital iraquiana na ocasião, perdendo autonomia para uma nova frente de ação militar. Por outro lado, a Administração Bush encontrava-se sob fogo cerrado, da mídia e da oposição democrata, sendo obrigado a demitir colabores próximos da presidência (Karl Rove, Alberto Gonzáles e Donald Rumsfeld). Por fim, o dossiê coreano – com forte risco de descontrole regional e envolvimento numa guerra convencional de grande porte podendo escalar para um conflito nuclear – paralisou os homens em Washington.
Contudo, depois de agosto de 2007 Washington sentiu mais segura para deslanchar uma ação definitiva na Região Golfo Pérsico/Oriente Médio.
Assim, em 2006, o conflito que estava agendado foi adiado. Até quando?
Por que os Estados Unidos atacariam?
O Irã pratica, depois de 2006, uma extensa e intensa política externa, buscando diversificar suas relações políticas e comerciais, além de estabelecer apoios para um eventual enfrentamento na ONU com os Estados Unidos. Assim, de forma inédita, e para grande irritação de Washington, o Irã investiu fortemente na América Latina. Conduzido por outro desafeto americano, o Comandante Hugo Chavez. Ahmandinejad estabeleceu acordos com Caracas, Manágua e La Paz, além de ter fechado protocolos de cooperação com Brasília.
Toda esta movimentação, “en el pátio” estadunidense, deixa claro para Washington que as ações iranianas – ainda mais associadas a Caracas – são um forte desprestígio para a política externa americana. Além disso, e de forma central no pensamento estratégico americano, Teerã desafia as posições americanas junta aos aliados tradicionais dos Estados Unidos no Golfo/Oriente Médio. O crescimento político do Irã, depois do começo da Guerra do Iraque em 2003 e do malfadado discurso de Bush sobre o Eixo do Mal, em 2002, pode relativizar a influência americana em Riad, Ancara e Cairo. Da mesma forma, Israel ficaria fortemente isolado na região e os movimentos radicais de resistência, tais como o Hamas e o Hizbollah – pagos e armados por Teerã – teriam um papel crescente na região.
Além disso, teríamos típicas razões de política interna e mesmo de psicologia própria da Administração Bush para explicar um eventual ataque americano ao Irã. Restando pouco mais de um ano de governo, Bush já é de fato um dos piores presidentes da História dos Estados Unidos. Qualquer ação no sentido de superar esta mancha na sua história deveria dar-se nos próximos 3 a 5 meses. E, estaria aí, a chance de alterar os sinais da corrida eleitoral em curso, desbancando o favoritismo dos Democratas.
Trata-se, em suma, de um típico projeto de “rabo que abana cachorro”.
Quais os sinais evidentes da crise atual?
Nas últimas semanas os Estados Unidos se movimentaram com uma agilidade diplomática não vista nos últimos 7 anos. Vejamos:
i. O Presidente Bush garantiu o apoio e a continuidade da assistência dos Estados Unidos ao governo ditatorial de Pervez Musharaf – sob forte pressão da oposição interna - no Paquistão. Trata-se de uma base fundamental, na fronteira do Irã, para garantir a segurança de ações contra Teerã;
ii. Condoleeza Rice e Robert Gates estiveram na Arábia Saudita e Egito e assinaram acordos no valor de U$40 bilhões para a transferência de complexos sistemas de detecção adiantada de ataques aéreos ( mísseis e aviação ) além de sistemas de defesa antiaérea;
iii. Os americanos enviaram “pessoal técnico” para o Azerbaidjão – na fronteira norte do Irã, junto ao Mar Cáspio, para examinar as condições de portos e aeródromos locais;
iv. Condoleeza Rice foi em missão preparatória a Israel e a Palestina visando garantir o sucesso da Conferência de Anápolis, em novembro de 2008, entre palestinos e israelenses. Temas tabus da Questão Palestina ( saída das colônias judias, partilha de Jerusalém ) foram colocados em pauta;
v. Vladimir Putin, da Rússia, multiplicou seus esforços diplomáticos em encontros sucessivos com Angela Merkel ( Alemanha ) e Nicolas Sarkozy ( França ) em favor de uma abordagem diplomática da questão. Em seguida a tais encontros Putin foi a Teerã, onde defendeu um mundo multipolar e a excelência das ações diplomáticas.
A Guerra Americana contra o Irã
O encadeamento de tais ações apontaria para a construção de uma retaguarda diplomática e para o estabelecimento das condições estratégicas para um ataque americano ao Irã. Este ataque seria radicalmente diferente da “nova guerra altamente tecnológica” que Rumsfeld criou para o Iraque. Em vez de uma “Blitzkrieg tecnológica”, os Estados Unidos (secundados por Israel, Inglaterra e França) deslanchariam uma poderoso ataque aeronaval contra o Irã.
O ataque deveria ter o caráter preempção e manter o principio de “Espanto e Terror”, só que não seria acompanhado de qualquer ação de “boots on the ground” e deveria potencializar os ataques aéreos (partindo de bases e da marinha deslocada para o local) de forma intensa e contínua. Os primeiros ataques deveriam ser tão poderosos que a capacidade balística iraniana deveria ser anulada sem qualquer possibilidade de retaliação. O uso de armas nucleares táticas não seria assim descartado, bem ao contrário. Os Estados Unidos deveriam direcionar, simultaneamente, seus ataques para as instalações nucleares (Bushsher, Natanz, Araki, etc...) e para o sistema de defesa e resposta do Irã. Assim, as bases navais no Golfo Pérsico e as bases de mísseis distribuídas pelo interior do país deveriam se atingidas simultaneamente, cobrindo mais de 100 alvos diferentes diários e contínuos. O ataque maciço e preemptivo deveriam contar com elementos da Guerra dos Seis Dias, de Israel contra os países árabes, e da Guerra de Kossovo, usando ao máximo poder aéreo para evitar uma retaliação contra Israel, Arábia Saudita e mesmo as tropas aliadas em embasadas no Iraque.

2 comentários:

sueli halfen ( POA) disse...

Obrigado pelo post esclarecedor !
Agora to entendendo um pouquinho mais sobre essas relações!
Qui perigo hein !

abraço Sueli

Rastreadores de Impurezas disse...

Muito bom seu blog.. Abraços e parabéns!