11 de maio de 2009

Além da chinelagem da RBS, o que pretende a Veja?

Sábado, vimos imagens inacreditáveis. A RBS TV tem um jornal que passa no início da noite e a pauta era uma entrevista com a desgovernadora Yeda Crusius [PRBS-PSDB] sobre algum escândalo [não sabíamos ainda da reportagem da revista não-Veja], com direito a imagens da casa da rua Araruama. Ficamos extremamente chocados com a cara-de-pau da RBS, em abandonar o navio tal qual os ratos do ditado: caem fora primeiro.

Mas não adianta a RBS se fazer de boazinha neste exato momento. Está mais do que sabido o seu envolvimento na campanha eleitoral 2006 pró-Yeda Crusius, bem como a blindagem que promoveu, até Fogaça [PRBS-PMDB] aparecer, informalmente, como futuro candidato desta coligação ao Governo do RS. O descaramento da RBS já aparece, quando, ao se reeleger, dias depois, Fogaça posa como suposto nome ao Piratini nas páginas do jornaleco da Azenha.

E em se tratando de apoio da RBS à então candidata Yeda Crusius [PSDB], o Dialógico estampou a formação de subjetividade pró-Yeda, graças às imagens fornecidas pelo amigo do blog A Carapuça, num debate promovido pela TV COM em outubro de 2006:

Na época, escrevemos:

Soubemos, depois, que da metade do debate em diante, mudaram o enquadramento.
Provavelmente, a reclamação foi grande e, antes que e empresa pudesse ser responsabilizada por crime eleitoral, trataram de suspender o golpe.

Mas o que causa estranheza é o papel da revista não-Veja nessa história do depoimento de Magda Koenigkan, muito bem documentado no blog RSurgente [1, 2, 3, 4, 5, 6.] O PSOL já havia feito essas denúncias anteriormente, e a RBS preferiu ignorá-las na ocasião [agora, até imagens da casa aparecem na TV!]. Por isso, para quem se informa na blogosfera, tais palavras de Magda não causam surpresa.

Na nossa hipótese, acreditamos que há dedo do PSDB nacional nessa confusão. Não é de hoje, que há rumores de descontentamento dos dirigentes nacionais com a desgovernadora. Escândalos de corrupção, às vésperas de eleição para Presidência da República, é tudo que José Serra e cia. temem, pois podem atrapalhar a campanha. Já bastou a cassação de Cássio Cunha Lima [PSDB/PB].

Como a revista dos Civita perdeu de vez a credibilidade; como o RS perdeu prestígio nacional; como é preciso desviar a atenção do Governador José Serra [PSDB/SP] frente aos que ainda se prestam a ler essa publicação do PIG; pautar os escândalos do desgoverno Yeda Crusius, pelos Civita, é uma boa saída para angariar simpatias, "sanear" o PSDB e partir para uma eleição tucana em 2010, com tudo "ético" [sic].

Nós desconfiaremos sempre das atitudes da imprensa golpista. Essa gente tem lado, e é o lado do capital financeiro. Como a "fruta" Yeda está podre, é bem provável que a árvore "PSDB" queira extirpá-la para bem não contaminar a eleição de 2010 de seu provável candidato. Nada mais "natural" que a Veja sirva de meio para acabar de vez com o reinado da rainha das pantalhas.

2 comentários:

Hals disse...

A RBS une o útil ao desagradável. Útil porque, como bom rato de navio, sente que o desgoverno Yeda está fazendo água rapidamente. Nada mais roedor do que se desvincular, o mais rapidamente possível, da Dona Doida do Piratini, buscando aconchego no seio do novo-jeito-de-governar-é-o-caralho José Fogaça, cujo slogan será: "O Rio Grande é demais". O lado desagradável é a rasteira que levo da infame Veja, com seu "furo" de reportagem. A chachorra da Veja desenterrou o osso que a cachorra da RBS diligentemente enterrou.

Te-Pito-O-Te-Henua disse...

A RBS saiu fora porque o filme da Yeda e do seu desgoverno está completamente queimado. Esse é o jogo perverso do Capitalismo.


Gostei muito do blog.

Sill