6 de agosto de 2009

A destruição do RS tem nome e sobrenome

Pedro Jorge Simon

Irretocável o editorial do Diário Gauche, do qual destacamos:

YRC teve, publicamente, dois padrinhos na vida: a RBS e o senador Pedro Jorge Simon. Esses dois protagonistas da cena pública sulina são os responsáveis pela construção e sustentação do modelo administrativo operado nos últimos 31 meses no Estado. Estimularam e criaram condições ótimas para que o pântano tucano & aliados prosperasse e se implantasse no setor público do Estado.

Leia a íntegra AQUI.

2 comentários:

Hélio Sassen Paz disse...

Ainda temo pelo pior: todo o PPS (que é muito mais influente do que o PSDB) evitou assinar a CPI; segundo o Correio do Povo de hoje, ontem havia uma forte pressão para que se entregasse o galinheiro ao lobo, isto é, para que Nelson Marchezan Jr. do PSDB de YRC fosse o relator da CPI. Sendo Stela Farias, a situação melhora consideravelmente, dada a sua combatividade durante a CPI do DETRAN. Contudo, não confio no STF presidido por Gilmar Dantas.

Apesar de todos os indícios, provas, declarações e sugestões de penas a réus comprovados pelo MPF, é melhor por as barbas de molho e manter alerta todos os nossos gansos: por incrível que pareça, YRC ainda não está fora, não. Por mais paradoxal que seja, ela, apesar de má e desprezível, não pode servir de bode expiatório. Trocando em miúdos: apeá-la do poder político não livra a classe média urbana mais bovina do mundo nem a oligarquia mais dissimulada do país de serem os principais avalistas da corrupção. E os erros irão se repetir, independentemente do trabalho subjetivo da mídia corporativa, já que nossa população é muito conservadora, simplista e fraca do ponto-de-vista intelectual e ela retroalimenta a mídia, que joga para a torcida.

Após um breve regozijo, infelizmente, meu pessimismo voltou. Repito mais uma vez: será que manter YRC até o fim para ela ser cozida tal qual um sapo na panela cheia d'água não seria mais benéfico para os interesses da parcela não-hipócrita da sociedade do Bovinão?

Por que digo isso? Porque ela é apenas o instrumento de um aparelho corrupto, excludente, inepto e covarde. Ela não é o aparelho. No frigir dos ovos, salvar-se-ão Britto, Odone, Busatto, Bernd, Proença, Rigotto, Simon, mídia corporativa, FIERGS, FEDERASUL e, acima de tudo, o cara que vai substituí-la até as eleições de outubro de 2010 e que irá fazer o que seus parceiros quiserem com o aval da sociedade, Paulo Afonso Feijó.

[]'s,
Hélio

Dialógico disse...

De fato, Hélio, analisando a questão política, é muito melhor sangrar o gover-ninho até o fim.
Mas os funcionários públicos, as/os estudantes de escolas estaduais, o que dependem de saúde pública [bem como a desgraça na segurança pública] forçam a saída dessa quadrilha que se instaurou no Piratini.
São essas forças que estão em jogo no sai ou fica. Não é uma decisão fácil.
Abração!
Claudia.