4 de outubro de 2009

Desacato


Um misto de indignação, revolta e tristeza ao ler a notícia da participação da Governadora Ré Yeda Crusius no programa Roda Viva da TV Cultura de São Paulo. Sentimo-nos desacatadas com essa pauta encomendada pelo José Serra-FHC-PSDB. Na ânsia de melhorar a imagem da ré e, por extensão, a do Serra, vale pisar em cima, tripudiar sobre fatos e pessoas que lutam para desbaratar uma quadrilha que se apossou dos cofres públicos do estado do RS, via processo democrático, para enriquecimento ilícito. Se isto, por si só, já foi um deboche, o desacato maior é dar voz para essa pessoa que ainda exerce seu cargo executivo, graças a despolitização de grande parte do povo gaúcho, cuja responsabilidade recai sobre a mídia corporativa guasca.

Poderemos adivinhar o cenário: jornalistas amestradas/amestrados, com perguntas faz de conta rigorosas: um bate bola perfeito para a Governadora Ré destilar ódios e mentiras deslavadas, além de respostas delirantes do tipo "fantasmas", "serpentes", "mamãe não ajuda mais" e outras mais que deverão partir daquela cabeça para enrolar o público.

O circo montado, talvez, não esconda a tristeza, o embaraço e a vergonha que se tornou o RS, desde que essa figura pusilânime assumiu o Governo. A começar pelo próprio "convite" realizado num momento em que uma CPI está instalada na Assembleia Legislativa do Estado, há uma ação de improbidade administrativa na Justiça Federal, uma ação de impedimento também na Assembleia, duas mortes inexplicadas e um atentado a líder sindical, que faz campanha "Fora Yeda". Escancara-se o objetivo do programa que, repetimos, trata-se de positivar a imagem de Yeda e Serra, além, óbvio, da cantilena antilula, antiministro da Justiça, antipt.

A necessidade de assistir ao programa, infelizmente, será maior. Importante preparar o estômago e ter medicamento antienjoo. Será um espetáculo deprimente, onde a cara de pau, o puxa saquismo e o servilismo serão constantes.

Conforme o serviço disponibilizado pela produção do programa, os convidados apresentadores serão Laila Dawa, apresentadora do Jornal da Cultura; Walter Nunes, repórter de Brasil da revista Época; Claudio Augusto, editor de nacional do jornal O Estado de S. Paulo e Luiz Antônio Araujo, editor de política do jornal Zero Hora. O programa poderá ser acompanhado pela Internet a partir das 17h30min e via Twitter, através de Maira Begalli, gestora ambiental (http://twitter.com/mabegalli); de Marcelo Soares, jornalista (http://twitter.com/msoares) e de Mariel Zasso, psicóloga (http://twitter.com/mariwell).

Na televisão, o programa será transmitido às 22h10min.

Arte: Hupper

5 comentários:

vitorino "milico" mesquita disse...

Perfeito. E não fazemos por merecer a denominação de "os mais politizados da nação", na realidade, estamos mais para uma cambada de micos amestrados. Abraço.

partisan disse...

Não há medicamento que prepare o estômago para isso. Para mim é demais.

Hélio Sassen Paz disse...

Mesmo sendo do Ibope e tendo sido publicada em Zero Hora, não tenho por que duvidar da pesquisa Ibope.

30% p/Serra me deixou indignado.

Isso comprova o que tenho observado há muito tempo, mesmo que de maneira não-científica e não-metódica: 25% do eleitorado bovino é de direita e 15% é de esquerda (sendo que, destes, pelo menos metade ainda crê em dogmas superados e não consegue ser pró-ativa na discussão).

Os outros 60% são desinformados por opção (a mídia de massa não tem o poder que muitos atribuem a ela), oportunistas ou inertes (entre alienados e "marias vão com as outras").

Não adianta... O predomínio da classe média é uma faca de dois gumes: se, por um lado, os que migraram da pobreza podem trazer uma nova visão de mundo e melhoram a economia, por outro lado tornar-se-ão conservadores em menos de uma década.

É por isso que a democracia representativa representa predominantemente os interesses dos patrocinadores da mídia corporativa ao invés de trabalhar pelas demandas pontuais de cada população distribuída geograficamente em torno de vocações econômica, cultural e ecológica localizadas e diferentes entre si.

[]'s,
Hélio

x da questão disse...

o que me deixa triste é a influencia que esta midia golpista exersse sob a população.

Dialógico disse...

E a conferência nacional de comunicação, que poderia ser um grande passo para novas políticas de comunicação, mais democráticas, frustrou qualquer expectativa de mudanças.

Uma lástima!