22 de outubro de 2009

Nasce a Rede Mulher e Mídia

Grupo de Trabalho propõe criação de rede nacional

Uma das deliberações da plenária final de nosso seminário foi a formação de um Grupo de Trabalho que teria como função sistematizar as propostas feitas durante o evento – que resultaram na elaboração da Plataforma das Mulheres para a Conferência de Comunicação – e também apresentar uma proposta de funcionamento para uma rede nacional que trabalhasse os temas debatidos no seminário. Este GT, que funcionou de abril a setembro, contou com a participação de 34 companheiras, de todas as regiões do país, e, na última quinta-feira (08/10), concluiu os seus trabalhos.

Eis a proposta do GT, que agora será apresentada a todo o movimento:

Rede Mulher e Mídia

1. Composição Provisória:
Todas as participantes que estiveram e/ou se inscreveram para o seminário e todas as entidades que já integram a Articulação Mulher & Mídia.

2. Objetivo geral: Atuar na luta pela democratização da mídia e em defesa do direito à comunicação a partir de uma perspectiva feminista, exercendo o controle social da imagem da mulher na mídia e promovendo a diversidade de gênero, raça/etnia e orientação sexual nos meios de comunicação.

3. Forma de funcionamento:
Será criado um Comitê de Animação da Rede Mulher e Mídia, composto por militantes e organizações que atuam em diferentes temáticas/questões dentro do movimento de mulheres. Este Comitê de Animação será composto por 9 pessoas, de todas as regiões do país, renovado a cada dois anos. A escolha dessas pessoas deve ser feita num amplo processo de participação. De acordo com a demanda e iniciativa das mulheres, podem ser criados comitês locais, abertos à participação de militantes e organizações do movimento de mulheres. As tarefas dos comitês, tanto no plano local quanto nacional, serão de articulação, mobilização, elaboração, articulação, ações diretas, controle social, entre outras.

4. Ferramentas de comunicação: Será criada uma lista na internet, assim como será mantida a edição eletrônica do boletim.

Fonte: Boletim nº 5 da Articulação Mulher e Mídia, enviado por endereço eletrônico.

4 comentários:

Hélio Sassen Paz disse...

Oi, Cláudia!

Muito legal a iniciativa feminina. Parabéns! :)

Não sei se vocês conhecem o pessoal da AMOVITA (Associação dos Moradores da Vila São Judas Tadeu) ao lado da PUCRS, o pessoal da AMA (Associação dos Moradores da Auxiliadora) e o pessoal dos AMIGOS DA RUA GONÇALO DE CARVALHO. São movimentos de grupos de pessoas de classes sociais diferentes com o mesmo objetivo, porém cada qual com a sua demanda. Todos se uniram na direção de apoio jurídico e técnico qualificado, insistiram muito e utilizaram com muita criatividade e competência listas de e-mail e blogs como forma de mobilização urbana. Esses grupos foram tomando conta do FÓRUM MUNICIPAL DE ENTIDADES e exerceram bastante pressão no legislativo municipal (Câmara de Vereadores).

Aos poucos, tem obtido importantes vitórias em pequenas batalhas que, sob outras estratégias, até então não vinham sendo obtidas.

De segunda-feira até amanhã (quando terei a honra de ser o relator da mesa de debates), o Grupo de Pesquisa Comunicação, Economia Política e Sociedade (CEPOS), do Programa de Pós-Graduação em Ciências da Comunicação (PPG-CC) da Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS) estará realizando o curso Curso “Mídia, Democracia e Políticas Públicas” (19/10 a 23/10 no CPERS Sindicato) patrocinado pela Fundação Ford. As inscrições são gratuitas e o evento funciona das 19h às 22h.

Ontem, seguimos a discussão que ocorrera durante a manhã e a tarde de ontem na Conferência Livre de Comunicação em Porto Alegre na Casa dos Bancários. Fiquei bastante contente ao perceber que o presidente do Sindicato dos Jornalistas e o coordenador de Comunicação Social da CUT-RS tem total interesse e curiosidade em apropriar seus respectivos movimentos sociais de um uso mais dinâmico das mídias sociais como veículos estratégicos de mobilização junto a grupos que vivem outras realidades. A adesão e a participação da classe média urbana é fundamental, como prova o pessoal hoje mobilizado em torno do Fórum de Entidades POA.

Pretendo colaborar da melhor maneira possível. Inclusive o Grupo CEPOS está começando a pensar em outros cursos de instrumentalização além do já programado para 2010 sobre a TV Digital.

A universidade está se aproximando dos movimentos sociais. O interesse é muito maior do que o de aproximar-se do mercado, pois esse é um movimento natural e bastante comum.

Posso dizer que a reação do Sindicato dos Jornalistas e da CUT-RS deveria ser a mesma no PT, na ARI e até mesmo no próprio CPERS, que considero entidades muito atrasadas que deveriam ter um papel diferenciado na sociedade.

Besos,
Hélio

Hélio Sassen Paz disse...

Maiores informações em:

O CURSO: http://projeto.unisinos.br/cepos/?p=2683

GRUPO CEPOS: http://projeto.unisinos.br/cepos/

AMIGOS DA GONÇALO DE CARVALHO: http://goncalodecarvalho.blogspot.com/

POA RESISTE: http://poavive.wordpress.com/

AMA: http://amainforma.blogspot.com/

AMOVITA: http://amovitapoa.blogspot.com/

Dialógico disse...

o Valério Brittos foi um dos palestrantes. Como te dissemos, não é possível participar de tudo, mas a gente dá uma força na divulgação!

Hélio Sassen Paz disse...

Cláudia,

O Valério dirige o melhor grupo de pesquisa em Comunicação do RS, sem sombra de dúvida. Ele empodera e encoraja bolsistas de iniciação científica, mestrandos, doutorandos, mestres e doutores. Obtém financiamento de várias instituições para editar livros com a produção científica do grupo, propõe cursos e seminários gratuitos junto à sociedade.

As bolsas de doutorado-sanduíche que ele obtém (principalmente para Espanha e Portugal) e a verba para poder bancar a maior parte da participação do grupo em congressos pelo Brasil afora demonstram que o CEPOS está muito acima da média. Um orientador dedicado como o Valério é algo raro de se encontrar! ;)

Ainda não decidi se migro em definitivo para o CEPOS ou não, mas é um ambiente organizado e bastante colaborativo como eu sempre deseji participar!

Besos,
Hélio