27 de agosto de 2010

Participação de Tarso Genro em debate no CPERS



Genial a decisão da Direção do CPERS Sindicato em não convidar Yeda Crusius [PSDB-PRBS-PIG] ao debate desta manhã, considerando-se o histórico de violência contra a categoria do magistério praticada em seu governo.

Falta mais uma decisão: cancelamento de assinatura da ZH e o fim da compra de DG, considerando-se o histórico de violência simbólica contra a categoria do magistério [e demais movimentos sociais] praticada em editoriais, em colunas de opinião e no jornalismo.

4 comentários:

Professor Luciano disse...

Yeda não pode no debate, mas Fogaça sim?!

Interessante essa lógica da DS...

Mas enfim, é muito bom ver que Tarso se compromete com a aplicação do piso do magistério. Que ele sendo eleito cumpra com a promessa, é o que todos nós professores esperamos.

Dialógico disse...

Não se trata de lógica, mas de fato: é fato que o Governo Yeda reprimiu, com violência, manifestações dos professores, inclusive, com feridos.

O Fogaça é problema de má gestão de outra ordem. Evidentemente, que, se eleito,esculhambará a vida das/dos riograndenses.

A que DS te referes, a tendência do PT? Os editores deste blog não são filiados a partido algum.

Professor Luciano disse...

Não me referia aos editores desse blog,mas à atual direção do CPERS.

No mais, o PMDB de Fogaça é governo junto com Yeda...

Mas o mais importante é que Tarso assume o compromisso de pagar o piso do magistério.Que cumpra com esse compromisso no governo!

Dialógico disse...

Acontece que o embate com a Yeda foi violento, ela pôs a BM em cima dos professores. PMDB é aliado desse governo, sim, e os deputados estaduais desta sigla foram omissos a essas barbaridades. Não convidá-la foi uma forma de retaliação, com a qual estamos de pleno acordo.
Abraço!