30 de dezembro de 2006

Saddam enforcado!

É o que anuncia o JC online. O enforcamento teria ocorrido pouco antes da meia-noite, horário de Recife.
A loucura do Bush não tem limite, pois não mede as conseqüências desse ato insano. A guerra civil já campeia no Iraque e ele vem pôr mais lenha na fogueira entre sunitas e xiitas.
Que justiça foi feita? Saddam, inegavelmente, era um criminoso. Mas era mais criminoso por quê? Por ter perseguido, implacavelmente, os seus inimigos políticos, ou por que atacou o Irã com o apoio dos EUA? Por que ele foi julgado pela morte de 148 xiitas e não pelo massacre aos curdos com gás fornecido pelos EUA?
Resta saber, agora, quem julgará Bush filho e pai, Clinton, Reagan e outros canalhas dos EUA, cujas intervenções militares espalharam desgraça pelo mundo afora.
Saddam é uma escrescência política, que só sobreviveu, enquanto fez o jogo dos EUA. Quando resolveu cobrar a conta pelos "bons serviços prestados", foi atraiçoado por Bush pai. Numa nebulosa operação, previamente acordada com a embaixatriz norte-americana no Kwait, invadiu aquele país, que o Iraque sempre considerou como parte de seu território. Tal episódio foi investigado pelo Congreso norte-americano e rapidamente varrido para baixo do tapete. O Iraque foi atacado a partir deste pretexto.
O sucessor de Bush pai, não menos pérfido, manteve o Iraque sob o embargo criminoso, responsável por milhares de mortes causadas pela falta de alimentos e medicamentos.
Bush filho, o canalha dos canalhas, resolveu colocar a pá de cal no regime de Saddam Houssein, quando este planejava adotar o euro como padrão para negociar o seu petróleo. Usando a mentira das armas de destruição de massa, invadiu o Iraque. O resto da história, a gente conhece.
Assim, canalhas do mundo todo, que vivem à sombra do imperialismo norte-americano, ponham as suas barbas de molho, pois as pérfidas lideranças americanas, apoiadas por um povo degenerado, sempre estarão prontas a atraiçoar os lacaios que tão bem o serviram. Saddam que o diga.
Mais sobre o enforcamento:
Eugênio Neves e Claudia Cardoso.

4 comentários:

Stanis Fialho disse...

Olá Claudia:
Eu só trocaria a pá de cal por um tonél de gasolina, pois agora quem tem seguidores não é um lider deposto e sim um mártir. O caldo apenas está engrossando.
Apesar de tudo, um Feliz ano novo.

Stanis Fialho disse...

Olá Claudia e Eugênio:
Eu só trocaria a pá de cal por um tonél de gasolina, pois agora quem tem seguidores não é um lider deposto e sim um mártir. O caldo apenas está engrossando.
Apesar de tudo, um Feliz ano novo prá vocês.

Lau Mendes disse...

Longe de defender qualquer genocida,lembrei que batiamos os pés nas matinés quando soava aquela clarinetinha ridícula.Era cavalaria americana.O"gran finale",mais uma tribo dizimada,ou se algum sobrasse,literalmente encurralado para ser"civilizado",na cena seguinte veríamos o próprio tocando a tal clarinetinha.Só não consigo ideniticar,ou nominar,a Lassie da história atual,talvez sejam muitos.

Lau Mendes disse...

Esquecí de dizer,éramos crianças.E quando lembrei,lembrei também de meu falecido sogro.Segundo minha mulher,muito perspicaz,meu sogro contava a ela ainda criança,que seu padrinho,irmão de seu pai,havia estripado um desafeto que por sorte sobreviveu após outro vivente ter-lhe colocado as tripas devolta e levado para ser costurado.Isto teria acontecido numa das "folclóricas"peleias de fronteira.Dizia êle da coragem de seu irmão mais velho.Vangloriava-se do tal feito,quando lá pelas tantas sua filha caçula,minha mulher,diz: mas pai estas criaturas não eram corajosos,eram loucos,psicopatas.Caíu-lhe a ficha.

Pena que haja tempos em que o ser humano pode se impolgar até com a barbárie,e nem sempre tenhamos a desculpa de sermos criança.