29 de maio de 2007

Seu Cardoso e a RBS

Recebo, milagrosamente*, o telefonema do meu pai hoje no início da tarde. Depois de me certificar que não havia acontecido nada com a minha mãe, pude ouvi-lo vociferar do outro lado da linha "Mas vocês não irão fazer nada? Como a RBS coloca na capa a foto do Renan Calheiros abraçado no Collor de Mello? Isto é um desrespeito ao povo gaúcho!".
Pai, por alguma ironia do destino, o povo porto-alegrense já não se preocupa se a RBS mente ou manipula as informações. Creio que este é um fato consumado no consciente coletivo e as pessoas dão de ombros num "e daí?", misturando alhos com bugalhos na explicação: "mas o PT..." (E o que o PT tem a ver com essa história de manipulação da informação pela RBS?)
E tu sabes muito bem, pai, o que a ZH quis fazer: como sempre, atingir o Lula! Não que ele faça o governo que eu, tu e muita gente gostaria que fosse, mas nós sabemos que sacanear o PT e o Lula é a diversão preferida do dono do Grupo RBS, executada com muito gosto por grande parte dos seus funcionários, principalmente, pelos editores e pelos âncoras. Assim, aparece, na capa do dia 29 de maio de 2007, a figura do Collor que, em 1989, o Grupo RBS apoiou em peso! Mas isso é igual ao chamado "anos de chumbo" da ditadura, nos quais a empresinha do Sirotsky não teve absolutamente nada a ver com isso!
Além do que, sabes muito bem que podes esperar sentado a RBS se preocupar com o povo gaúcho. E também não adianta implicar comigo, pai. Uma andorinha só não faz verão. É isto o que posso fazer neste momento.
Beijo!
* O Seu Cardoso não atende o telefone em casa na base do "não é para mim", mesmo se ele estiver ao lado. Se tem mais gente em casa, ele nem se mexe. Se está deitado, deixa tocar. Além do que, raramente liga para algum filho, à exceção para implicar com meu irmão colorado e com as minhas cunhadas. Receber um telefonema do celular da mãe e ouvir a sua voz hoje, quase me fez ter um troço!

2 comentários:

Jens disse...

Por recomendação médica não leio mais a ZH. Nem a Veja.

Claudia Cardoso disse...

Fazes bem, Jens, fazes bem.
Abraço!