13 de junho de 2007

Carta ao Pilla Vares

No Diário Gauche, ocorre um debate sobre artigo escrito por Luiz Pilla Vares na ZH do dia o7/o6/07 sobre o cancelamento da concessão da RCTV.
Abaixo, a carta que enviei ao Pilla Vares:

Sr. Pilla Vares,
não só o senhor não está vendo as coisas em preto e branco, como as está vendo por lentes que lhe causam enorme distorção. O fechamento da RCTV, fato esse que o senhor relaciona como uma "maneira autoritária com que Chávez tirou do ar a maior TV venezuelana", é, para mim, "sem nenhuma falsa modéstia", um dos fatos políticos mais importantes da América Latina nas últimas décadas. Pela primeira vez, alguém resolveu peitar os barões da mídia e mostrar a eles que não podem se escudar atrás do esfarrapado discurso da liberdade de imprensa para fazer o que bem entende, inclusive e principalmente o que eles mais gostam: articular golpes de estado. Se o senhor tivesse escrito esse texto infeliz na Carta Maior ou na Caros Amigos, já seria uma aberração. Mas na RBS???!!!
A sua memória anda tão ruim, quanto os seus olhos, pois o senhor já esqueceu o papel que este monopólio de mídia fez contra o único projeto político que este estado já teve e do qual o senhor participou? O senhor já esqueceu do bordão ridículo e da CPI-armação que a grande mídia articulou contra esse projeto progressista? O seu texto só me confirma uma coisa que venho repetindo há muitos anos: o quanto a nossa esquerda é recalcitrante e anacrônica ao não conseguir estabelecer a óbvia relação entre mídia e poder.
O senhor consegue enxergar num ato legítimo do estado venezuelano, respaldado na Constituição, uma "maneira autoritária", mas não consegue enxergar o autoritarismo, este sim verdadeiro, que está logo abaixo do seu nariz. Para o senhor que é tão zeloso da ordem democrática, não me custa dizer-lhe que o Grupo RBS incorre em várias ilegalidades, tais como: monopólio, propriedade cruzada e funcionamento de emissoras com concessões vencidas. Portanto, não serão os patrões da mídia e, particularmente, os da RBS que cresceram à sombra da ditadura, que torturou e matou - não custa lembrar - que nos dirão o que é e o que não é democracia.
Se não for por respeito ao seu passado, pelo menos em consideração às pessoas que lutam pela democratização das comunicações, que eu lhe recomendo uma passada de olhos pelo meu blogue e pelos os de várias outras pessoas que denunciam diuturnamente a "vocação democrática" da nossa grande mídia. Talvez seja pedagógico o senhor fazer uma visita nessa relação de endereços aí abaixo para saber o que pensa a moderna esquerda, não revisionista, sobre o que é poder no mundo contemporâneo. Caso contrário, o senhor continuará acreditando que poderá ganhar eleições, no Terceiro Milênio, só distribuindo "santinhos".
De um intelectual como o senhor, eu esperaria uma mobilização dentro do seu letárgico partido, "corinho" da mídia, a fim de organizar um grande fórum para discutir o tema mídia e poder. Mas tudo o que temos, é este texto chinfrim...
E, no mais, quem tem Internet, não pode, sob hipótese nenhuma, se deixar pautar pela grande mídia.

Eugênio Neves
Artista Gráfica
http://dialogico.blogspot.com (Por este endereço, o senhor poderá acessar os demais blogues.)

3 comentários:

Jens disse...

Beleza, Eugênio matou a cobra e deu um nó.
Só uma observação: nem sempre a esquerda é recalcitrante e anacrônica e não consegue estabelecer a óbvia relação entre mídia e poder. Por vezes outros intere$$es falam mais alto.
Porra, o Pilla Vares, quem diria...
É soda.

eugênio neves disse...

Será que tem isso tb? Só faltava essa!

Júlio Garcia disse...

Eugênio, realmente o velho e bravo companheiro Pilla pisou feio na bola.
Mas acredito que foi só uma pisada, vai recuperar-se...
Abraço,
Júlio