4 de outubro de 2007

Campanha de doação de órgãos e tecidos

Lançamento do livro Doando Vida, dia 3/10/07, trabalho voluntário dos fotógrafos Júlio Appel e Walter Karwatzki e das fotógrafas Elda Franco, Maria Clara Adams e Marta Morales. Já está provado: toda a vez que se faz uma ação de esclarecimento à população sobre o tema, aumenta o número de doações. Por isso que o Ministério da Saúde lançou a Campanha de Doação de Órgãos 2007, já que as doações decresceram nos dois últimos anos.
Porém, ao sul do Mampituba, o Governo Rigotto (PMDB, 2002 a 2006) foi o segundo estado, depois de Minas Gerais (Governador Aécio Neves. PSDB 2002 e 2006), a deixar de aplicar a parte do estado na saúde. E a sua sucessora, Governadora Yeda Cruel Crusius, rainha das pantalhas, (PSDB) segue na mesma toada. Resultado: falta do medicamento imunossupressor Tracolimus (qualquer dosagem), ou compra de ciclosporina de 100mg, cuja cápsula gelatinosa não se parte, deixando ususários que tomam doses de 50mg (meu caso), 25mg ou 75mg no maior malabarismo para evitar super ou minidosagem.
E sabem qual é a ironia? Parte dos médicos votaram no Coraçãozinho e na Cruel. E seus pacientes transplantados são hospitalizados por conta das conseqüências desta sacanagem em não cumprir a Lei que obriga o estado a aplicar 12% na Saúde. Com direito à secretário da pasta, Osmar Terra, execrado na campanha eleitoral pela sua nova chefe (lembram do que ela afirmava da saúde do Rigotto?) tentar se safar da responsabilidade com um joguete de palavras muito ordinário. Ele disse, mais ou menos assim: o Governo Federal deixou de repassar 60% das verbas para a saúde e repassa, agora, 48% ao RS. "Oh", dirão vocês! Mas o que o Terra NÃO DISSE, foi o que representava 60% em termos de valor financeiro e o que representa os 48% hoje! [Mais informações, AQUI.]
Enfim, afora este enorme problema dos medicamentos, do qual eu só tive 1 contratempo por tomar ciclosporina, em 2005, e por uma feliz coincidência - períodos de grande tensão acontecem entre uma retirada mensal e outra - estava muito emocionada no evento de hoje. Não guardo nenhuma lembrança pesada dos meus piores momentos de vida. Como escrevi no livro, "eu não sofri: eu vivi"! Eu e Dona Elaine, minha mãe.

3 comentários:

sueli halfen ( POA) disse...

Barbaridade !!!!!! claudia tu transplantou o quê? se quiseres responder...claro

abraço sueli

Claudia Cardoso disse...

Transplante de fígado em 30 de janeiro de 1996, quase doze anos. :-)

sueli halfen ( POA) disse...

Graças AO COSMO que tu tá bem !!!!!

quibom....tá ótima!

abraço sueli