11 de julho de 2008

A discutível "relação profissional" de Greenhaldgh com Dantas

Chega um momento, em que o mínimo de ética deveria prevalecer na escolha das "relações profissionais", principalmente, para quem é integrante de um partido que se diz dos trabalhadores. Qual era a necessidade de Greenhalgh trabalhar para um escroque? Dantas estava usando os seus serviços da forma mais desinteressada possível. Quem é ingênuo o suficiente para acreditar nisso?
Bem feito! Agora, o seu nome será arrastado na lama. E pelo visto, o governo e o PT ainda precisam se livrar de muita gente comprometedora para poderem ficar realmente tranqüilos.

Advogados eram elo com o Planalto

www.valoronline.com.br/valoreconomico/285/primeiro...
Raymundo Costa
Nos anos que se seguiram ao escândalo do "mensalão", o Palácio do Planalto fez uma verdadeira faxina entre os auxiliares mais ligados a Daniel Dantas, dentro do governo e do PT. Por isso, hoje, se declara tranqüilo em relação às investigações da Polícia Federal sobre as atividades do banqueiro, muito embora seja concreta a suspeita de que gente do próprio governo confirmou para Dantas a existência da operação da PF, que deveria ser sigilosa. Alguns dos "40 do mensalão" avaliam que o inquérito pode ajudá-los, se chegar à real origem das transações de Dantas, que julgam estar nas privatizações do governo do PSDB.
O elo mais visível entre Dantas e o Planalto é o advogado Luiz Eduardo Greenhalgh, que não nega ter assessorado Dantas judicialmente e de haver levantado os procedimentos policiais e judiciais existentes contra o dono do Opportunity. LEG, como é chamado pelos amigos, conheceu Dantas há pouco mais de um ano e o assessorou na fusão de Brasil Telecom e Oi. Ex-advogado do presidente Lula, do PT e ex-deputado federal, Greenhalgh tem trânsito no governo, mas nunca foi um nome ligado ao banqueiro como foi, por exemplo, o ex-tesoureiro do PT Delúbio Soares. Ou o ex-ministro José Dirceu, conforme apontado na CPI dos Correios. Outro elo entre Dirceu e o Opportunity é o advogado José Luiz de Oliveira Lima, que antes de assumir a defesa de Dirceu, no processo de cassação do ex-deputado, trabalhou para a BrT.
O advogado foi contratado por R$ 1 milhão para defender Dantas no "caso Kroll" (a investigação de nomes-chaves do governo a pedido do banqueiro) por intermédio do publicitário Humberto Braz. Outro publicitário ligado ao dono do Opportunity, Guilherme Sodré, o Guiga, ex-marido da mulher do governador Jaques Wagner (Bahia), foi quem intermediou o contato de Greenhalgh com Dantas.
O banqueiro sempre manteve relações cordiais com o poder, independente de quem ocupava o Planalto. No Congresso, desenvolveu excelente relações com senadores como Antonio Carlos Magalhães - que por mais de uma vez o indicou para a Fazenda -, Jorge Bornhausen e Heráclito Fortes. Quando a oposição tomou o poder, tratou de se acercar dos antigos adversários, especialmente do núcleo mais próximo de Lula. Primeiro por meio do ex-tesoureiro do PT Delúbio Soares e do advogado Roberto Teixeira, compadre de Lula. O deputado José Eduardo Cardozo e o ex-deputado Sigmaringa Seixas são outros petistas apontados como próximos.
Entre o fim de março e o início de abril de 2006, Dantas teria decidido sair dos negócios de telefonia. Por meio de Guiga, pediu um encontro com Greenhalgh. Apesar dos 80 mil votos nas eleições de 2006, Greenhalgh não se reelegera, esteve cotado para assumir algum cargo, mas acabou voltando para a antiga profissão de advogado. A princípio - na conversa que teve com Dantas uma semana depois do encontro com Guiga - LEG relutou, mas acabou cedendo aos argumentos do banqueiro.
Sempre em movimento, dando voltas em torno da mesa, Dantas queixou-se de que só arrumara inimigos nos negócios das telecomunicações e queria deixar o ramo. Alegava que vivia na mira da Polícia Federal. Estava certo: a PF não esquecia dele desde que foi apontado como suposto autor de um dossiê sobre contas secretas de Lula e do diretor-geral da PF, à época, Paulo Lacerda, hoje na Abin.
O banqueiro foi aconselhado pelo advogado a dizer claramente que queria deixar os negócios na área das teles, o que ninguém acreditava, e acabar com a guerra judicial que mantinha com os sócios. Isso daria credibilidade para ele tentar um acordo com os sócios.
O primeiro passo foi o levantamento das ações existentes contra Dantas e dele contra seus sócios. Após duras negociações - os outros sócios chegaram a se unir na guerra contra Dantas -, chegou-se ao acordo: as partes se comprometiam a não mais ajuizar ações um contra o outro no futuro, e a retirar simultaneamente todas as demais em curso na Justiça.
Foi quando a repórter Andrea Michael, da "Folha de S. Paulo", publicou que o acordo não interrompera uma investigação sigilosa da PF que deveria levar à prisão de Dantas. A equipe de advogado entrou em campo, inclusive Greenhalgh, que, além de sondar seus contatos no governo e no Congresso, fez uma varredura na Justiça para conferir se havia algum procedimento em curso em relação a Dantas. Todos os juízes responderam "não" à petição enviada à desembargadora Cecília Melo, menos um, Fausto de Sanctis, que quis saber se o questionamento se referia só ao disco rígido de um computador ou a qualquer coisa.
A primeira análise dos advogados era de que se tratava de uma reportagem com o objetivo de fazer um acordo entre as partes. LEG leu o contrário: achava que era uma vingança. Isso acendeu a luz amarela entre os defensores de Dantas, que pediram o habeas corpus preventivo no Superior Tribunal de Justiça (STJ), que foi negado.
LEG se recusa a dar entrevistas. Mas a amigos disse que estava tranqüilo: sua relação com Dantas é recente, profissional. Ele crê que, com mais de 30 anos de profissão, além de ser deputado, evidentemente tem amigos aos quais recorreu para entender a situação de seu cliente. Mas estava irritado com a insinuação de que participou do esquema que tentou corromper um delegado da PF.

4 comentários:

Anônimo disse...

Pois é né?
E voces atirando batatas.
Chingando anônimos camentários.
Começaram a sentir o cheiro da podridão sindicalista.
O DD se falar vai levar toda esta esquerda e também a social democracia para o escambau.
O Collor foi um ótimo presidente podemos dizer hoje.
O restante, inclusive o Sarney, são muito piores que os da era militar.

Fudêncio

heliopaz disse...

Só corrige o nome do deputado e advogado petista no título e no início do texto: GREENHALGH.

Só pra completar: pra mim, o ZÉ DIRCEU é da mesma laia, pois vive hoje como um rico lobista de grandes empresários.

Passou pelo Governo, pegou informações privilegiadas.

Não importa o "mensalão" ou não: caras como esses deveriam ter sido expulsos do partido, caso o PT não queira ser considerado o que já o é, ou seja, igual aos outros.

[]'s,
Hélio

Dialógico disse...

É isso aí, Hélio! O José Genuíno, por quem eu tinha em boa conta, tb faz parte desse grupo. Não esqueço das palavras de Arbex Jr., quando disse que, no momento que a lógica foi ganhar eleição, em detrimento da construção de um partido de bases, iniciada com Dirceu na Presidência, a coisa degringolou.
Não é à-toa, que as tendências mais à esquerda foram perdendo força nas eleições majoritárias e, agora, em POA, perdeu em POA.
É gente "pragmática" demais para o meu gosto. Pior, gente com informações privilegiadas - como muito bem apontaste - apresentando-se para empresários com interesses para lá de duvidosos.
Essa turma jamais foi de esquerda e, ainda por cima, desmoraliza quem é por desrespeitar uma legenda que se identificava com ela.

Quanto ao codinome Fudêncio, a vida é bela, sabia?

Anônimo disse...

Fudêncio sabe que a vida é bela!!!!

Um abraço para vocês do blog.

Prometo não brincar mais.

Meu pai já descobriu que eu acesso seu blog.

Fudêncio