12 de julho de 2010

Pesquisa eleitoral e Yeda Crusius


O Diário Gauche escreve sobre a pesquisa eleitoral encomendada pelo Grupo RBS, na qual a rainha das pantalhas Yeda Rorato Crusius [PSDB/PRBS], [des]governadora do RS e candidata à reeleição, aparece com o índice de 47% de rejeição ao seu nome.

Temos a sensação, de que tal pesquisa teve a intenção de identificar a opinião do eleitorado guasca, para a elaboração da estratégia errebesseana frente à uma vitória petista. Uma empresa que tem negócios nas áreas da comunicação, imobiliário e agronegócio precisa tomar a dianteira, a fim de manter os seus interesses. Mais do que um partido político ilegal, o Grupo RBS atua como um império tirano e que patrola tudo e todos que atrapalhem o business. Foi assim com o Governo Olívio Dutra, foi assim que se criou a subjetividade "chega de PT".

Não há quem nos convença, de que o desgaste da Frente Popular foi um desgaste simbólico. E a reeleição do incompetente José Fogaça [PMDB/PRBS] é o exemplo cabal disso: não foi cobrado pela sujeira, buracos, escândalos no DMLU e no Pró-Jovem, equipamentos públicos estragados e não repostos, deficiência nos serviços municipais, etc. - e lá foi a criatura alçada, na História da Porto Alegre, como o primeiro político reeleito na nossa cidade!

Voltando à YRC [PSDB/PRBS], o Diário Gauche foi além: reivindica, com razão, parte da responsabilidade na rejeição de 47% do nome dessa senhora. Se os fatos não fossem repostos por parte da blogosfera riograndense, num estado que se divide em século XIX, XX e XXI, alguém duvidaria da sua reeleição, já que a sra. Crusius teve seu governo muito bem protegido pelo Grupo RBS e pela Igreja Universal do Reino de Deus, vulgo Record?

Nós também nos somamos à esta reivindicação. AQUI, quase todos os posts sobre Yeda Crusius em nosso blog.

5 comentários:

Miguel Graziottin disse...

Pois é.....
E ainda tem quem ache que o gaucho, e em especial o portoalegrense é politizado..
por aqui, se a RBS mandar uma parte importante obedeçe e ainda acha que faz porque quer..

Anônimo disse...

Olá, Marcos
Não achei o autor do texto, ao qual concordo. E gostaria de levantar uma questão: quem elege essas figurinhas carimbadas - Yeda, Fogaça - são os eleitores ou a BURLA ELETRÔNICA? quando vamos ter um voto eletrônico transparente? se é que se conseguiria. Todos sabemos da fragilidade virtual e/ou informatizada. Existem "N" maneiras de se alterar os resultdos das eleições eletrônicas, que são tão propaladas como seguras. A Europa, primeiro mundo, sabe que isso não é verdade.
Joana

Dialógico disse...

Sobre a urna eletrônica, sugiro um texto de 2000, atualizado em 2009, [http://jus2.uol.com.br/doutrina/texto.asp?id=1549] dos quais destacamos:

"[...] Por fim, o próprio TSE admite que os programas das urnas são alterados entre o exíguo prazo de "fiscalização" pelos partidos e a data das eleições. Além do mais, quem garante que todas as urnas do Brasil (são 320.000 seções eleitorais, em mais de 5.000 cidades) possuem todas os mesmos programas instalados?

Resposta: a garantia é a palavra do TSE: "nós garantimos que a urna é segura". Ora, a democracia de uma Nação não pode se basear apenas na palavra da Justiça Eleitoral. Estamos numa situação em que não temos mais o direito de saber o que acontece com o nosso voto, pois somos obrigados a depositar na "caixa preta" chamada de urna eletrônica, além de nosso voto, uma confiança cega, total e irrestrita na honestidade da Justiça Eleitoral e de todas as pessoas envolvidas na confecção da urna eletrônica e de seus programas.

Não se afirma aqui que já houve fraude nas eleições eletrônicas ou que os desenvolvedores da urna desejem sinceramente que ela aconteça, embora possam com ela estar contribuindo por excesso de confiança. O objetivo é de apontar soluções para que os avanços técnicos proporcionados pela computação sejam utilizados em prol da segurança do voto, viga mestra da democracia."

Na atualização, consta:

"NOTA DE ATUALIZAÇÃO DO AUTOR (em 12/10/2009)

Em outubro de 2009, entrou em vigor a Lei 12.034/09 [http://www.brunazo.eng.br/voto-e/textos/lei12034.htm], que exigirá a impressão do voto a partir de 2014. Trata-se de uma conquista histórica dos defensores da auditoria dos votos de forma independente do software da própria urna.

Apesar do lobby contrário da Justiça Eleitoral, o presidente Lula não vetou o projeto aprovado pelo Congresso. A luta da sociedade agora deve ser no sentido para evitar que o TSE, sob o pretexto de supostos defeitos técnicos da impressão do voto, consiga revogar o novo dispositivo legal antes que ele seja colocado em prática.

É a segunda vez que o Congresso aprova uma lei obrigando o voto impresso. A primeira lei [http://www.brunazo.eng.br/voto-e/textos/lei10408.htm] foi aprovada em 2002, para entrar em vigor em 2004, mas foi revogada [http://www.brunazo.eng.br/voto-e/textos/PLazeredo.htm] em 2003, graças à interferência direta da Justiça Eleitoral. Para tanto, o TSE chegou a implantar o voto impresso em algumas cidades em 2002, mas deliberadamente adotou algumas práticas inadequadas, só para depois alegar que a tentativa não deu certo. Teme-se que o TSE faça o mesmo desta vez, ainda mais porque a nova lei só entrará em vigor em 2014."

Anônimo disse...

Figurinhas como Fogaça e Yeda se elegem porque sabemos que devemos escolher sempre o mal menor.

Anônimo disse...

? olha como porto alegre pioro. eu viajo muito pelo interior e vejo como o sul ta se deteriorando a cada ano que passa. o que no acontece noutros estados .mas acho que nos somos culpados disto cuando votamos em candidatos que se sabe que no cumpliran o mandato como no caso do sr fogaça que deijo o sr fortunati que tambem no tem uma idiologia a defender a no ser o bem pesoal .se voce procurar a prefeitura vai sentir na carne com e ser tratado como um cidadão de segunda clase .todo mundo fala na educacao. mas e a area que menos a investimento por que sera ? quem se beneficia com isto